segunda-feira, 19 de abril de 2010

Coluna do tostao - A igrejinha do Dunga

Coluna do tostao - A igrejinha do Dunga


http://opovo.uol.com.br/opovo/colunas/tostao/974274.html

Dunga disse novamente, desta vez na Academia Brasileira de Letras, que, no futebol e na vida, o que importa é o resultado. 

Fiquem tranquilos. Dunga foi apenas convidado. É um hábito da Academia chamar pessoas de destaque na sociedade para um encontro. Dunga não é candidato ao cargo de imortal, mesmo se o Brasil for campeão, e ele escrever mais um original livro sobre como ser um vencedor. Ricardo Teixeira faria o prefácio, e o auxiliar Jorginho, a orelha. Dunga só não pode publicar antes da Copa, como fez Parreira em 2006. 

O que é ter resultados na vida, fora do futebol? Se tornar um profissional vitorioso, rico e famoso, mesmo que fosse por meios não muito legais e éticos? Aparecer e ser campeão no Big Brother? Ou ser um homem simples e bom, sem nenhuma pretensão de ser herói? 

Dunga e Jorginho formam uma boa dupla. Estão entrosados e já mostraram que têm bons conhecimentos técnicos e táticos. É a união do técnico mal humorado, tosco, que não aceita críticas, com o auxiliar evangélico e tranquilo. 

Se qualquer outro treinador dissesse que só interessa o resultado, ninguém se incomodaria, já que todos os times do mundo, de todas as épocas, entram em campo para vencer. Já Dunga dizendo isso, por seu habitual comportamento, gera outras leituras. 

Depois de tantos bons resultados, a maioria concorda com o jeito pragmático de Dunga. Vivemos em uma sociedade consumista, competitiva, do espetáculo, em que a única coisa importante é a vitória, a glória e a fama. As pessoas não querem ser amadas. Querem ser vencedoras, admiradas e bajuladas. 

Muitos acham ainda que, para dirigir uma seleção na Copa, é necessário, além de ser operatório e disciplinado, que o treinador seja rígido e nacionalista, uma mistura de um ditador com um Policarpo Quaresma. Para esses, com Dunga, não se repetiria o fracasso de 2006, quando Parreira foi chamado de bonzinho e frouxo por permitir tantas arruaças. 

Dunga nunca vai entender por que a seleção de 82, eliminada pela Itália, é mais elogiada que a de 94, campeã do mundo. 

Dunga passa a impressão de que a vitória lhe proporciona mais sofrimento que prazer, e que ainda pode xingar os críticos, como fez em 94, ao levantar a taça. Para ele, perder jogando bem deve ser muito pior que perder jogando mal. Sofre mais. 

Apesar de não ter admiração pelo estilo de Dunga, reconheço sua eficiência no comando da seleção. A maioria dos jogadores prefere técnicos rígidos e que tomam todas as decisões. É uma maneira de os jogadores transferirem para o técnico a responsabilidade pelas derrotas e pelas vitórias. A presença de vários atletas evangélicos e obedientes facilita o trabalho do treinador. É a igrejinha de Dunga. 

Se o Brasil ganhar ou perder, o motivo principal será Dunga. É valorizar demais o treinador, seja quem fosse. É também uma maneira estreita de se analisar futebol, um esporte que, com frequência, é decidido, entre equipes do mesmo nível, pelo acaso e por fatores inusitados, que vão além da racionalidade doentia de Dunga.


6858km de futebol
http://twitter.com/6858kmdefutebol
http://6858kmdefutebol.blogspot.com/

Nenhum comentário:

Ocorreu um erro neste gadget